Cobra de vidro da África e Eurasia




Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe:
Reptilia

Ordem:
Squamata

Subordem:
Sauria

Família:
Anguidae

Gênero:
Anguis

Espécie:
A. fragilis

Nome científico:
Anguis fragilis
Outros nomes: Licranço, alicanço, licanço, fura-mato


O cobra-de-vidro (Anguis fragilis) é um réptil da ordem dos sáurios (é, portanto, um lagarto), de membros ausentes (ápode). Pertence à família dos anguídeos. É nativo de África, da Europa e da Ásia.

Apesar do nome vulgar "cobra-de-vidro", estes animais são, de facto, lagartos. Entre as características que os diferenciam das cobras estão:

  • a pálpebra – os lagartos possuem pálpebras móveis e as cobras não;
  • a sua língua é dividida em vez de bifurcada, como acontece nas cobras;
  • a troca de pele desses lagartos ocorre em farrapos, em vez da pele inteira, como acontece nas cobras.

A pele tem um toque suave e é composta por escamas não sobrepostas. Tal como outros lagartos, o licranço autotomiza-se, o que significa que podem perder a cauda, de forma a fugir a predadores. A cauda volta, depois, a crescer, mas raramente atinge o tamanho inicial. As fêmeas têm frequentemente uma risca no dorso, enquanto que o macho pode ter manchas azuladas.

São animais diurnos, gostando de se aquecer ao sol. São carnívoros e, como se alimentam de lagartas, larvas e lesmas, encontram-se frequentemente junto a campos com erva.

As fêmeas dão à luz crias plenamente desenvolvidas. São, portanto, animais ovovivíparos. As fêmeas podem ser encontradas, nos dias antes do parto, em locais soalheiros e quentes, tomando banhos de sol.

São comuns em jardins e especialmente benéficos, já que ajudam a controlar pragas prejudiciais de insectos e lesmas. O jardineiro pode encorajar a permanência destes animais colocando chapas de zinco ou plásticos pretos no chão já que o licranço gosta especialmente de se colocar debaixo de tais objectos que funcionam como colectores de calor.

Comprimento

Pode alcancar até 50 cm, incluindo 30 cm para a cauda

Tempo de vida

Até 45 anos

Cor: Marrom ao bronze

A cauda frágil quebra-se facilmente, mas cresce de novo. Esse lagarto é inofensivo.

A cobra-de-vidro é largamente difundida pela Europa, Ásia oriental e Irã, vivendo na superfície do solo, em lugares frios e úmidos, ricos de vegetação. Para dormir abriga-se sob uma pilha de gravetos, na toca de um roedor ou sob uma pedra chata. É geralmente ativa de madrugada ou ao anoitecer.

Em outubro, começa a comer menos. Em fins de novembro, a cobra-de-vidro, sozinha ou com outras, procura abrigo. Aí passa o inverno em um estado letárgico que não chega a ser uma hibernação. Três meses após o acasalamento, a fêmea põe de 6 a 12 ovos de casca transparente. Os filhotes, de 8 a 10 cm, logo nascem e se espalham à procura de alimento. Crescem lentamente e, se conseguem escapar dos predadores, viverão muito tempo.

2 comentários:

Anônimo disse...

MTO BOM!!!!!!!!!!

Thiago Fernando disse...

Elas exitem no Brasil Tb né ?!?!!